SAIBA O QUE FAZER QUANDO ENCONTRAR UMA AVE ACIDENTADA OU UM FILHOTE DE PASSARINHO FORA DO NINHO

Se você já encontrou um filhote de passarinho no chão, sabe que o principal instinto é o de ajuda. Porém, é importante saber que para ajudar, é necessário estar atento com algumas situações.

Pensando nisso, vimos essa dica diretamente no Facebook do Fabio Nunes, mestre em Ecologia e Recursos Naturais, e resolvemos compartilhar aqui. Olha só as orientações que ele deixou:

– Se ele for saudável, faça uma busca visual no local, procurando o ninho. Ao encontrar o ninho, caso ele seja acessível, é preciso colocar a ave de volta no lar. Use luvas e devolva-a com cuidado ao ninho.

– Não leve o filhote para longe do local onde o encontrou, é ali que os pais irão procurá-lo e, mesmo fora do ninho, continuarão lhe dando comida.

– Tire o filhote do chão para não ser atacado por formigas ou devorado por predadores, o ideal é devolver o filhote ao alcance dos pais, em alguma árvore próxima onde poderia estar seu ninho.

– Cuidado onde colocar o animal, pois se você colocar em um galho ele provavelmente voltará a cair. Veja a dica abaixo:

Faça um ninho substituto. Caso não consiga localizar ou chegar até o ninho, é preciso improvisar um para proteger o passarinho até que ele seja encontrado pelos pais. Use um pote limpo de margarina, uma caixa de morango ou outro recipiente similar. Faça furos no fundo para que tenha uma drenagem correta. Forre-o com papel toalha seco. Com um arame ou corda, pendure-o em uma árvore ou arbusto próximo ao ninho antigo ou à localização que suspeita ser a mais próxima.

Tente garantir que o ninho não esteja ao alcance de predadores, inclusive de cães e gatos.

Você pode fazer uma improvisação do ninho com um recipiente forrado (furado embaixo para não acumular água) pendurado em uma árvore (escondido dos humanos), como mostra a foto abaixo. “Funciona muito bem e ele só sairá quando suas asas estiverem desenvolvidas”, explica.

É preciso garantir que os pais o encontrem. Depois de devolver o filhote ao ninho ou arrumar o ninho improvisado, observe-o à distância. Os pais devem chegar rapidamente pois eles são atraídos pelo chamado dele.

- Caso eles voltem, o passarinho está salvo e o seu dever cumprido.

- Se, depois de uma ou duas horas, nenhum dos pais tiver retornado, entre em contato com um biólogo especialista para obter instruções

Outras Dicas

  • Caso fique em dúvida, é melhor não manusear o pássaro e esperar. A melhor maneira de um filhote crescer e se tornar um adulto saudável é permanecendo com os seus pais.

  • Não alimente nem dê água a um filhote, a menos que um veterinário ou especialista o oriente a fazer isso. Você pode acabar fazendo mais mal do que bem se alimentar um pássaro com frio ou se der comidas inadequadas. A alimentação apropriada varia conforme a espécie.

  • Lave as mãos meticulosamente depois de manusear o pássaro. Ele pode transmitir vírus prejudiciais para humanos.

Acidentes com aves em janelas e fachadas de vidros são mais comuns do que se imagina. Além de não verem o vidro, elas são confundidas pelo fato dos espelhos de vidro refletirem a paisagem do entorno (árvores, céu, etc.) além de dar a impressão de ser uma passagem livre, fazendo com que as aves voem em sua direção. Devido a esses fatores, a morte de aves provenientes dessas colisões ocorrem com muita frequência.

Na maioria das vezes, a colisão deixará o pássaro temporariamente atordoado, recuperando-se após algum tempo. Entretanto, muitas dessas aves morrem posteriormente devido aos hematomas ou hemorragias internas proveniente do choque. Estimativas indicam que 1 bilhão de aves são mortas anualmente na América do Norte devido a acidentes com janelas ou fachadas de vidro.

Para evitar isso você pode tomar algumas providências em sua janela.

  • Uso de decalques que podem ser de qualquer figura (aves, flores, formas geométricas, etc.), desde que estes cubram uniformemente a superfície de vidro, minimizando as áreas expostas e alertando os pássaros sobre a presença da barreira. Como regra geral, recomenda-se que estes estejam separados por 10 centímetros, se aplicados em colunas verticais ou 5 centímetros, se utilizados na horizontal; e devem contrastar ao máximo com a barreira de vidro.

  • Cordas ou fitas penduradas: estes materiais devem ser colocados 10 centímetros de distância uma da outra e em toda a extensão da área a ser protegida. Essa técnica cria um bom aspecto visual para as aves, alertando-as sobre a presença da barreira de vidro. A utilização de persianas em grandes aberturas podem ser mais viáveis.                             (fonte: http:// www.naturezaeconservacao.eco.br)

Muitas aves batem nos vidros transparentes dos imóveis e isso muitas vezes é fatal, tirando-lhes a vida.

Esse Taperuçu de coleira foi resgatado

nas corredeiras do rio Paranapanema

Depois da recuperação voou livremente

José Carlos Garcia
Pedagogo e Observador de Aves
Contato: piravespiraju@gmail.com

Esse Beija-flor-de-veste-preta teve mais sorte pois estávamos perto no momento da colisão e pudemos ajudá-lo a se recuperar.

Esse Tucanuçu apreceu em um sitio

com as asas cortadas ficando vulnerável à gatos e cachorros, cuidamos dele durante um tempo e depois o devolvemos para viver novamente livre na natureza.